Os rostos da incompetência

Os rostos da incompetência nacional agrega pessoas de diversos cargos e de vários espectros políticos e que terão de ter consequências e serem chamados à responsabilidade. Os comuns também serão chamados à responsabilidade de marcar a intenção de voto num quadrado diferente.
Os rostos da incompetência
António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa, dois populistas natos, estiveram mais preocupados em manter a sua taxa de aprovação do que em agir. Basta ver que com informação privilegiada de meses de antecedência nada fizeram para assegurar a saúde e segurança dos portugueses. Após Portugal ter mais de 1000 infectados e com a vizinha Itália e Espanha a serem maus exemplos desde inícios de Fevereiro, só hoje, 21 de Março, decidiram decretar isolamento profilático durante 14 dias a quem entrar em Portugal. Só hoje decidiram controlar fronteiras, essas tais fronteiras que PCP & BE consideravam excessivas e insultuosas por quem as sugerisse.

Em Janeiro, a Directora Geral da Saúde, Graça Freitas, considerava excessivo a possibilidade contágio entre humanos e foi ainda mais longe dizendo que não existia grande probabilidade do vírus sequer chegar a Portugal. Um mês depois admitia que no pior caso o vírus poderia infectar 1 milhão de pessoas. Dois meses depois? 100 pessoas infectadas.

A 5 de Fevereiro, a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, afirmava que o CoronaVírus até podia ter consequências bastante positivas para as exportações portuguesas.

A Ministra da Saúde, Marta Temido, dizia em Fevereiro que Portugal estava preparado para lídar com o vírus num cenário idêntico ao de Itália. Já mais recente disse no parlamento que temia que não estivessem bem preparados.

António Costa decidiu não proteger as pessoas e manteve a sua postura de "abertos ao mundo". Permitiu que espaços públicos, escolas e outros se mantivessem abertos. Dois ou três dias mais tarde foi obrigado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças a tomar medidas em nome do interesse público, teve de fechar.

Centenas de médicos infectados, falta de materiais de protecção individual para profissionais de saúde, falta de equipamentos nos hospitais, contínua falta de recursos humanos. Pagámos impostos para que os representantes dos três partidos da geringonça sempre que aparecem em público falem do SNS como uma dádiva, uma dádiva com uma perna torta, uma verruga e cheia de doenças mal tratadas.

São os mesmos rostos de incompetência nacional, são os mesmos partidos das tragédias de Pedrogão Grande e Tancos, não estás farto Portugal?