O bom senso perdura na República Checa

O primeiro ministro da República Checa, Andrej Babis, criticou as políticas de imigração massiva, cujo intuito é a substituição dos Europeus, propagado pelas Merkels, Macrons, Antónios Costas, Marcelos Rebelos de Sousa e outros líderes Europeus.
O bom senso perdura na República Checa
Quando o assunto é imigração e o argumento é de que é um mal necessário para colmatar o declínio de nascimentos, Andrej segue a solução do seu homólogo Viktor Orbán, e incentiva as mulheres do seu país, através de meios financeiros, a terem mais crianças.

O próprio Andrej tem 4 filhos e quando confrontado pelo repórter alemão de que o nascimento de mais crianças não é bom para o clima, riu-se, porque estava na presença de alguém cuja lavagem cerebral já está muito enraizada. Aliás, são raros os casos em que pessoas cuja profissão é jornalista (apesar de não a saberem exercer) não aparentam sintomas de autismo, em Portugal então é escasso.

Andrej prosseguiu a entrevista ao dizer que dá as boas vindas a estrangeiros, mas são os Checos que decidem quem entra no país e quem não. A política doentia de imigração massiva pára nas fronteiras da República Checa, esteja ou não presente o pior secretário da ONU até à data.